quarta-feira, 28 de maio de 2008

PAÍS DE OIRO




Longe, longe, longe daqui
num país de oiro
que eu nunca vi
soam vozes na folhagem
espreitam gamos
entre os ramos
dançando na aragem

Nunca, nunca, nunca tem fim
este tesouro
dentro de mim
Verde, verde, verde paisagem
para além do verde
nasce outra imagem

Branco, branco, branco e dourado
voa meu Anjo,
meu Anjo alado
Longe, longe, longe daqui
num país de oiro
que eu nunca vi

In Em Cantos da Serra da Lua – Mª Luísa Barreto, Câmara Municipal de Sintra

Sem comentários: